Por Eduardo Negrão

Você gosta de livros policiais, tipo John Grisham ou da nova geração de policiais escandinavos (scandinoir) como Jo Nesbo ou Stieg Larsson? Então tem que ler “CABEÇA BRANCA”, de Allan de Abreu, editado pela Record. O livro conta em ritmo frenético a história de Luiz Carlos da Rocha, o ‘Cabeça Branca’, o maior traficante brasileiro e de como ele conseguiu driblar a Polícia federal por três longas décadas, entre lances de astúcia, contra-inteligência e propina farta e com, é claro, generosas doses de sorte.

Além da alta octanagem da história do narcotraficante, o autor revela entranhas da corrupção no país que não poupa nem a Polícia Federal, uma das instituições mais respeitadas do Brasil. Como o caso da Operação Caravelas, ocorrido em setembro de 2005 onde a P.F. apreendeu cerca de R$ 2 milhões de reais e mais 1,6 tonelada de cocaína. O dinheiro foi furtado, de dentro do cofre da delegacia da PF na Praça Mauá, centro do Rio de Janeiro. por um agente e um escrivão da polícia federal – além de um outro comparsa – a PF conseguiu recuperar R$ 670.000,00 desse valor e pelo menos 3 funcionários concursados da corporação foram expulsos e depois presos. Porém mais de um milhão de reais jamais foram recuperados.

Aliás, as cifras fabulosas do narcotráfico seduzem não apenas pessoas, mas até governos. O Reino Unido já inclui no PIB nacional os valores movimentados por essa parte, digamos, informal da economia. Em 2019 o tráfico de substâncias proibidas na terra da rainha Elizabeth chegou a 5 bilhões de libras – algo como 20 bilhões de reais. Só o protagonista do livro, o Cabeça Branca, teve apreendida uma fortuna de mais de um bilhão de reais. Incluindo cerca de 97 apartamentos, mais de 100 carros e fazendas. Estima-se que o traficante ainda tenha pelo menos U$ 100 milhões no exterior espalhados por paraísos fiscais e criptomoedas. 

O autor do livro, Allan de Abreu, é um jornalista ‘old school' daqueles que preferem se arriscar na busca por notícias do que ficar sentado no ar condicionado da redação palpitando sobre tudo que é assunto na internet. Seja pegando carona em carretas que dão apoio logístico ao tráfico ou acompanhando operações da PF, Allan está sempre na linha de frente, exposto aos riscos que essa postura corajosa, raríssima no jornalismo atual, impõem ao profissional. Esse é seu terceiro livro, anteriormente já havia lançado Cocaína a Rota Caipira (2017) e O Delator (2018). Seus livros frequentam sempre a lista dos mais vendidos e os três foram publicados pela gigante do mercado editorial, RECORD.

Eduardo Negrão é consultor político e escritor

SERVIÇO

Cabeça Branca – A caçada ao maior narcotraficante do Brasil. 

Págs: 224

Editora: Record.

Lançamento: 2021.

Preço: R$ 44,90.

Site de compra