Artistas plásticos da Espanha que despontam como promessas nas artes do país e com potencial para levar suas obras ao mundo, foram homenageados por uma organização cultural brasileira. O Certificado de Reconhecimento Internacional 2021 da OCBAL (Organização Cultural Brasil América Latina) foi entregue aos artistas emergentes espanhóis Jorge Solana e Aurora Torres.

"A OCBAL sempre homenageou e reconheceu a trajetória de grandes artistas ao redor do mundo, mas esse é um momento muito importante, porque estamos também incentivando e reconhecendo o talento de artistas emergentes que com certeza desfrutarão de uma carreira brilhante e Jorge Solana e Aurora Torres, da Espanha, são alguns desses exemplos", disse o presidente da OCBAL, Antonio Marques.

Conheça os artistas emergentes da Espanha homenageados no Brasil.

Aurora Torres

Artista plástica espanhola, nascida no sul de Espanha, Córdoba, em 1976. Aurora Torres é amante da vida e do despertar dos sentidos que, através da sua arte, quer fazer com que o espectador sinta a magia de se sentir vivo e consciente de um mundo cheio de luz e sombras. Além de suas mãos trabalharem com técnicas mistas de óleo e acrílico, ela também se sente muito confortável com grafite, pastel e carvão, uma de suas paixões desde cedo.

Ela deu aulas de óleo e grafite em casa para pagar seus próprios lápis de desenho e suportes.

Em março de 2020 participou da “Exposição Coletiva de Pintura Casa Palacio María Luisa” com a obra “Tempo Passado” que se realizou em Jerez de la Frontera, Cádiz.

No mesmo mês de março expôs na "Mostra de Arte do Festival Grito de Mulher 2020" em Córdoba, Espanha, que inclui o "X Festival Internacional Grito de Mulher, Movimento Mulheres Poetas Internacional" e a "“VI Convocatoria de la Antología Quejío””com a obra Projeto“ Calla ”que chega à América Latina.

Em setembro participa de Congressos de Arte que são organizados online na Guatemala para levar Arte a todos os cantos do planeta.

Neste mesmo mês de setembro de 2020 participa no "Héroes con bata", projeto que é galardoado em fevereiro de 2021 com a "Bandeira da Andaluzia".

No momento, ela está pesquisando a relação entre a ciência da anatomia e da arte, e está trabalhando em uma série de três obras intituladas "Vaidades", entre elas "O Orgulho do Imperador" sendo a primeira vaidade, "Arrogância" a segunda do projeto e "Morte" como a terceira obra desta série intrigante.

Em 11 de novembro de 2020 apresenta sua primeira coleção de poemas "Las Noches de Julia"

Em agosto de 2021, participou do CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE INDAI, na Exposição Virtual na Galería Angular vr (Paris, França).


Jorge Solana

Jorge Solana nasceu no atelier de pintura de seu pai, em Ponferrada, província de León, Espanha, em 1978.

Ele cresceu entre pincéis, aguarrás, telas, cadernos e lápis, enquanto seu pai ensinava seus alunos. Desta forma, era impossível evitar o desenho com perseverança e determinação. Mostrou um talento para o desenho que imediatamente chamou a atenção do pai, por isso sempre foi incentivado a desenhar com esmero e cuidado, a pintar com aquarela, a buscar sua expressividade a partir do vazio de uma folha de papel ou tela. 

Seu pai lhe ensinou tudo o que sabia, que não era pouco, já que era aluno do professor José Manaut Viglietti, que por sua vez fora aluno direto de Joaquín Sorolla e Cecilio Pla. A "paleta valenciana" sempre esteve presente no seu atelier.

Desenhou sem parar até chegar à Faculdade de Belas Artes de Salamanca, onde teve professores como Rafael Sánchez-Carralero e Miguel Ángel Pacheco entre outros artistas de renome. Depois de se formar em Salamanca, dedicou-se à pintura e ao ensino desde então. Agora é ele quem dá as aulas e ensina a desenhar e pintar entre os mesmos materiais, entulho, maquetes e esculturas que o viram crescer.